A joint media project of the global news agency Inter Press Service (IPS) and the lay Buddhist network Soka Gakkai International (SGI) aimed to promote a vision of global citizenship which has the potentiality to confront the global challenges calling for global solutions, by providing in-depth news and analyses from around the world.

Please note that this website is part of a project that has been successfully concluded on 31 March 2016.

Please visit our project: SDGs for All

Principal Doador Mundial da UAE e Patrocinador da Tolerância

Por Bernard Schell

MUMBAI (IDN) – À medida que a comunidade internacional começa a implementar o Planejamento 2030 da ONU para o desenvolvimento sustentável, os fundos de países que não são membros do Comitê de Ajuda ao Desenvolvimento (CAD), situado em Paris e que engloba 29 países, possui um “papel cada vez mais importante no financiamento da cooperação para o desenvolvimento”, de acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Apesar de China, Brasil, Índia, Indonésia e África do Sul serem alguns dos maiores contribuintes não pertencentes ao CAD, oferecendo empréstimos ou concessões para países em necessidade, nos últimos os Emirados Árabes Unidos (EAU) tem se tornado um dos maiores doadores do mundo da Assistência Oficial ao Desenvolvimento (AOD), quando é levado em conta seu Produto Nacional Bruto (PNB).

De acordo com estatísticas recentes liberadas pela OCDE, a assistência oficial ao desenvolvimento fornecida pelos EAU alcançou 4,9 bilhões de dólares americanos, representando 1,17 por cento de seu PNB – uma quantia significativa quando comparado aos 0,30% do PNB dos membros do CAD, compostos principalmente pelos Estados Unidos e países do Oeste Europeu.

Os países que mais doavam para o CAD, em volume, eram os Estados Unidos, o Reino Unido, Alemanha, França e Japão. Porém, Dinamarca, Luxemburgo, Noruega, Suécia e o Reino Unido continuam a exceder a meta da AOD de 0,7% do PNC.

Relatórios da UAE media citam o Sheik Mohammed bin Rashid Al Maktoum, Vice-Presidente e Primeiro-Ministro dos EAU e Governante de Dubai, dizendo que “a posição renovada dos Emirados como um grande doador no mundo” reflete os princípios fundamentais da nação de suporte incondicional a aqueles que precisam.

Em outubro de 2015, o Sheik Mohammed lançou a Fundação de Iniciativas Globais, para consolidar uma variedade de iniciativas de caridade de humanidade, com valor em torno de 272,23 milhões de dólares por ano.

O projeto espera alcançar mais de 130 milhões de pessoas em pelo menos 116 países até 2025, porém muito desse trabalho terá como foco o mundo Árabe. A fundação também planeja investir 544,5 milhões de dólares para instalar centros de pesquisa médica e hospitais na região, e 136 milhões de dólares em pesquisas de suprimento de água.

O Sheik Mohammed ressaltou ainda que o trabalho de desenvolvimento humanitário deve acompanhar – e aproveitar – os desenvolvimentos tecnológicos de uma forma institucional, para se adequar à visão dos EAU de se transformar em uma “capital realmente humanitária”.

“A cultura da doação está profundamente marcada em nossa sociedade, e tem sido sempre nutrida pelos líderes dos EAU, desde seu nascimento. Nós estamos felizes em saber que os EAU ficaram em primeiro lugar do mundo em termos de valor de suas doações oficiais como porcentagem do produto nacional bruto”, declarou o Sheik Mohammed.

A fundação consolidará o trabalho de 28 organizações, que tem foco em quatro setores principais: lutar contra a pobreza e doenças, espalhar conhecimento e cultura, aprimorar a comunidade e conduzir a inovação.

Até 2025, a Fundação de Iniciativas Globais Mohammed bin Rashid planeja apoiar e educar 20 milhões de crianças, e prevenir ou tratar a cegueira e doenças oculares de 30 milhões de pessoas.

Comentando sobre a notícia, o Sheik Mohammed afirmou: “A região Árabe está passando por grandes desafios. Nós não viraremos as costas para nossa região, nós vamos fornecer o apoio e trazer esperança para a juventude”.

Ele acrescentou: “O mundo de hoje está enfrentando desafios em todos os níveis; terrorismo, guerras e migrações em massa, e a única solução reside no desenvolvimento humano, que pode ser alcançado educando as pessoas, e as ajudando a construir seu futuro”.

A fundação continuará com seu trabalho, e aprimorará a vida de mais de 2 milhões de famílias, permitindo que elas se tornem autossuficientes dentro dos próximos dez anos. A nova instituição também suportará jovens empreendedores, para fornecer mais de meio milhão de empregos durante os próximos anos.

Na área de espalhar o conhecimento e a ciência, e encorajar a tradução de palavras-chave para o Árabe as Iniciativas Globais Mohammed bin Rashid trabalharão para imprimir e distribuir mais de 10 milhões de livros, e a tradução dos 25.000 principais títulos de várias línguas para o Árabe, bem como continuar a promover uma vibrante cultura de leitura dentre os estudantes.

A fundação suportará programas que visam que mais de 500 milhões de livros sejam lidos durante os próximos dez anos no mundo Árabe. O investimento em iniciativas educacionais, científicas e de conhecimento totalizará cerca de 409 milhões de dólares, para criar uma real mudança nesse setor.

As Iniciativas Globais também trabalharão dentro de sua estratégia geral de desenvolvimento, para estabelecer uma nova cultura nas sociedades, com base na tolerância e na compreensão cultural e entre civilizações.

“Para atingir essa meta a fundação dedicou mais de 163 milhões de dólares para promover um diálogo transparente e ativo com a mídia, e também para permitir que as comunidades vivam em harmonia, longe de extremismos e de discriminação étnica, religiosa e sectária”. A instituição terá como alvo mais de um milhão de participantes, em prêmios e fóruns relacionados ao aprimoramento de comunidades, durante os próximos 10 anos.

Como parte de sua visão geral de desenvolver a região, as Iniciativas Globais Mohammed Bin Rashid Al Maktoum apoiarão a inovação e os cientistas da região, fomentando 5.000 inventores e pesquisadores, e investindo mais de 1,5 bilhão de dólares para construir um ambiente melhor, com padrão elevado a nível mundial, para inventores na região.

“Tudo isso faz parte da visão de desenvolvimento da instituição, de contribuir, mesmo que pouco, para erradicar o desemprego e fornecer à juventude Árabe uma vida digna, prevenindo que eles sejam mal direcionados e atraídos para o terrorismo”, afirmam as Iniciativas Globais em seu website. [IDN-InDepthNews – 4 de janeiro de 2016]